Em 2012, eu e minha colega de faculdade Kaionara de Castilhos fizemos alguns estudos de painéis para aplicar ao projeto de revitalização do espaço, contando a vida e história do presidente Nereu Ramos no Memorial existente na cidade de Lages/SC. Ela fez o projeto no AutoCad e 3D, e eu participei criando painéis e apresentação. O projeto consistiu em duas linhas do tempo, apresentando sua trajetória como estadista. Ele foi o 12º Vice-presidente do Brasil, eleito pelo Congresso Nacional, de 1946 a 1951, e, posteriormente, o 20º presidente da República durante dois meses e 21 dias, de 11 de novembro de 1955 a 31 de janeiro de 1956. Foi o único catarinense que presidiu o Brasil e o último Presidente a nascer antes da Proclamação da República do Brasil. O Memorial foi fundado em 3 de setembro de 1992 e é mantido pela Fundação Cultural de Lages (FCL).  A maior parte do acervo pertence ao Museu da República, e diversos objetos foram doados pela família de Nereu Ramos. No espaço são encontradas mais de 2700 fotos; há também medalhas e placas de condecorações, jornais e revistas da época. Os restos mortais de Nereu Ramos, vítima de acidente aéreo em 1958, e um braço da poltrona do avião que caiu em São José dos Pinhais, no Paraná, fazem parte do patrimônio do memorial.
"Nereu Oliveira Ramos foi um catarinense, mais especificamente um lageano nascido na Coxilha Rica em 3 de setembro de 1888 (Lages, Santa Catarina). Graduado em Direito, em 1909, sua primeira profissão foi como jornalista, tendo fundado o jornal "A República". Na década de 1930 começou a lecionar Direito Constitucional e Teoria do Estado na Faculdade de Direito de Santa Catarina. Nereu Ramos fez parte do quadro de deputados que elaboraram a Constituição de 1934. E foi governador do Estado de Santa Catarina por uma década (1935-1945).
Em 12 de março de 1951, Nereu Ramos tornou-se presidente da Câmara dos Deputados. E, em 1955, ocupou a vice-presidência do Senado. Devido às pressões da mídia, dos empresários e forças armadas sobre o governo de Getúlio Vargas após o atentado ao Carlos Lacerda na rua Tonelero, Café Filho, vice-presidente da República, propôs a Vargas renúncia conjunta. Caso isso se efetivasse, Nereu Ramos tornar-se-ia presidente da República."
"Contudo, Getúlio Vargas não aceitou tal proposta de Café Filho, e suicidou-se, em 24 de agosto de 1954. Após o suicídio de Vargas, Café Filho assumiu a presidência até o momento em que sofreu com um problema de saúde e transferiu o cargo para o presidente da Câmara dos Deputados Carlos Luz, em 8 de novembro de 1955. Carlos Luz presidiu a nação por apenas quatro dias, pois militares comandados pelo marechal Henrique Lott, no Movimento 11 de Novembro, o depuseram. Esses militares temiam que os candidatos eleitos para presidência e vice-presidência do país, respectivamente, Juscelino Kubitschek e João Goulart não seriam empossados.
Desse modo, Nereu Ramos era o próximo da linha sucessória ao cargo e tomou posse da presidência da República, em 11 de novembro de 1955. No dia seguinte, Nereu Ramos foi ao hospital e declarou a Café Filho que lhe restituiria a presidência quando o estado de saúde dele melhorasse. Porém, o ministro da Guerra Henrique Lott não permitiu que Café Filho retornasse à presidência. Assim, Nereu Ramos governou o país até a tomada de posse da presidência da República por Juscelino Kubitschek, em 31 de janeiro de 1956. Nereu Ramos assumiu o posto de ministro da Justiça do governo de Kubitschek."
Centro Cultural Vidal Ramos e Memorial Nereu Ramos
Foto noturna do Parque Jonas Ramos, mais conhecido como Tanque, próximo ao Memorial.
Projeto: Kaionara de Castilhos
Fotografias e Design: Giselle Zart
Back to top